Um dos grandes objectivos para este sector será a reforma e perspectivas para a sua modernização, caracterizada pela regulamentação dos serviços postais e do relacionamento com os utentes.

O instrumento fundamental dessa reforma será a Lei base postal, que se encontra na fase de elaboração.

A Empresa de Correios passará a operar num novo contexto regulamentar e de mercado, harmonizando a sua actuação em duas vertentes: a empresarial e competitiva e a outra de natureza pública e social.

A vertente empresarial e competitiva seria marcada por uma rigorosa acção que permitisse enfrentar os desafios da concorrência, da produtividade, da satisfação do cliente e buscando em simultâneo resultados operacionais satisfatórios.

Enquanto que a vertente pública e social seria caracterizada pela oferta de serviços de carácter social e interesse comunitário com margens de contribuição reduzidas.

A reforma estrutural e organizacional da Empresa de Correios visa sobretudo a transformação das suas estações e agências em centros de negócios devidamente apoiadas por uma central gestora de recursos, com o devido suporte tecnológico e humano, garantindo assim, meios apropriados e indispensável à oferta de serviços com qualidade desejada.